Busca avançada

Entrevista com Everton Arantes, CEO da Prime Control e palestrante no 4º RecrutaTech

segunda-feira, 27 de agosto de 2018 por Yasmin Coelho de Santana
Entrevista com Everton Arantes, CEO da Prime Control e palestrante no 4º RecrutaTech

A entrevista de hoje é com o Everton Arantes, CEO e fundador da Prime Control, um exemplo tanto de profissional da área de tecnologia como de empreendedor. Nessa entrevista você poderá entender melhor a importância dos testes e das metodologias ágeis para o sucesso de uma empresa, ficou interessado? Então leia a entrevista na íntegra:

Como você conheceu o portal Curitiba TI e o RecrutaTech?

Conhecemos através dos grupos nas mídias sociais e dos comentários dos próprios profissionais da área. Estamos sempre procurando novos canais de comunicação e relacionamento com profissionais do mercado para captar novos talentos para os projetos. O portal Curitiba TI e o RecrutaTech nos ajudam bastante nisso.

Como você enxerga a importância do evento para o público que quer participar?

A tecnologia da informação é um campo vasto de conhecimento e cheio de oportunidades. No entanto, é também muito complexa. É impossível trabalhar isolado e manter a competitividade. Ninguém dá conta de absorver todas as mudanças que estão ocorrendo. Então, participar de eventos como o RecrutaTech é obrigatório para quem deseja estar no mercado. Lá, podemos trocar muita informação, descobrir novas oportunidades e conhecer gente que pode nos ajudar a superar nossos desafios. Enfim, o RecrutaTech tem uma função muito importante para o ambiente de TI de Curitiba. Quem quer preservar sua posição ou crescer, tem de marcar presença no evento.

Você indica a trilha de tecnologia, na qual você será palestrante, para que tipo de público?

Falarei de boas práticas de desenvolvimento, testes e quality assurance que podem ser aplicadas por equipes de qualquer tamanho, em qualquer setor. Sempre é importante desenvolver mais rápido e com maior qualidade, independente do projeto. Mas há certas aplicações que não podem falhar, pois um pequeno bug pode gerar grandes problemas. Então, eu diria que a palestra ajudará a todos, mas será mais relevante para quem considera qualidade uma prioridade.

Falando um pouco mais sobre a sua palestra, você pode dar um pequeno spoiler dela?

A maioria das empresas vem criando equipes focadas em práticas ágeis e DevOps. Porém, há muitas dúvidas nesse processo de mudança e implementação, pois é bastante complexo. Na Prime Control lidamos com isso o tempo topo, em diferentes projetos e diferentes empresas. Conseguimos perceber alguns equívocos comuns. Vamos abordar esses pontos, citando alguns exemplos reais e ferramentas que podem simplificar as coisas.

O que é preciso para implementar de forma efetiva a cultura e as metodologias ágeis dentro de uma organização?

Metodologias ágeis envolvem grandes mudanças relacionadas a estrutura, capacitação, processos, cultura, liderança e até no modelo comercial. Esse é o primeiro insight que todo gestor precisa ter: a mudança tem de atacar todos esses pontos. É claro que nenhuma revolução é feita de um dia para o outro, mas é necessário ser completo e efetivo. Também é recomendável que as empresas tragam alguém de fora com conhecimento e poderes para impulsionar a mudança. Isso facilita muito. A sabedoria popular diz que “santo de casa não faz milagres”. É bem isso que ocorre. O pessoal interno normalmente está muito envolvido com seus afazeres e não consegue colocar a energia necessária para a mudança. Alguém externo pode agregar conhecimentos, experiências e a energia necessária.

A Prime Control tem crescido e ganhado destaque em todo o Brasil nos últimos anos, como a implementação das metodologias ágeis auxiliou nesse crescimento?

Eu diria que nosso crescimento está bastante relacionado com o comprometimento que temos com os projetos e com o sucesso dos nossos clientes. As dificuldades existem, são inevitáveis. Porém, procuramos sempre estar presentes, estimulando nossos colaboradores a irem além e a se importarem verdadeiramente com o sucesso. Esse valor está muito relacionado com o que é pregado no manifesto dos testes ágeis. Temos projetos em metodologias ágeis e também em metodologias tradicionais. No entanto, em ambos os casos, a cultura ágil baseada no comprometimento está presente. Os clientes percebem e valorizam.

Quais dicas você poderia dar para empresas e profissionais que sofrem com os testes de software e não conseguem agilizar esse processo tão fundamental?

Minha primeira dica é: assista nossa palestra no RecrutaTech. A segunda dica, pense nos testes como um processo contínuo que deve ser feito de forma ativa e preventiva. A terceira, envolva um profissional de qualidade de software desde as primeiras etapas do projeto. A quarta, preveja um orçamento do projeto para os testes, antes de iniciá-lo. Com essas 4 dicas, certamente você começará um processo de mudança muito positivo na sua empresa.

Que conselho você pode dar para o pessoal que está indeciso sobre participar do evento?

Participar do RecrutaTech não é um custo, nem perda de tempo, é um investimento valioso para quem sabe aproveitá-lo. Basta você comparecer com a cabeça livre de ideias pré-concebidas, um caderninho cheio de dúvidas e aproveitar ao máximo todas as palestras e contatos disponíveis.

E pra quem já está inscrito no evento, você tem alguma dica do que o pessoal deve fazer lá dentro?

A dica é: me procure! Estarei disponível para quem quiser tirar dúvidas, seja sobre projetos ou sobre carreira.

Quer saber mais sobre a palestra do Everton e sobre o restante do evento? Acesse: http://bit.ly/RecrutaTech

Compartilhar