Busca avançada

O que aprendi em 5 Km

segunda-feira, 30 de julho de 2018 por Bruno Vieira de Lima
O que aprendi em 5 Km

Estava de pé no Jockey clube para a largada da minha 4ª prova de 5 quilômetros nos últimos 3 anos, cultivar a corrida de rua como um hábito não é uma tarefa simples para mim, e quero falar para vocês sobre essa experiência e sobre aprendizados que levo para minha vida pessoal e profissional.

Quero começar falando sobre o trajeto, eu já o conhecia, a corrida passada tinha sido lá em um trajeto muito semelhante, elevação média para um corredor amador. Afinal, 8 meses separam essa prova da última que fiz sem preparo nenhum e sabe Deus como consegui força para terminar, asfalto durante todo o período e com dois pontos de hidratação, aparentemente nenhum grande desafio por si só.

Quem me conhece sabe que sou super competitivo, por natureza mesmo, não gosto de perder nem no par ou ímpar e para esse ano eu tinha feito um desafio pra mim mesmo, iria fazer uma prova de 5k e terminar ela com tempo abaixo de 30 minutos e comecei essa preparação lá em fevereiro. Deixa eu contar um pouquinho da minha mudança de hábito:

Em fevereiro completava 15 meses que eu estava sem fazer uma atividade física constante, depois de 18 meses fazendo religiosamente musculação. Essa mudança de ritmo, ocasionada pela falta de tempo que começar uma startup do zero gera e pela falta de dinheiro para manter as mensalidades, suplementação e alimentação adequadas pelo mesmo motivo.

Todo meu foco e dinheiro estavam indo para iniciar esse sonho de ter a própria empresa.

Até que em fevereiro eu resolvi que era hora de voltar a ter uma rotina mais saudável, voltei para academia (religiosamente TODOS os dias que estou em Curitiba faço no mínimo uma hora a partir das 7:00 da manhã), modifiquei vários hábitos não só de alimentação como de sono também e mesmo na esteira voltei a correr e me preparar para um dos objetivos do ano. Como falei antes, não consigo fazer do treino da corrida de rua um hábito, mesmo com os parques sensacionais e propícios que tem aqui perto de casa!!

Agora vamos adiantar 98 dias e 5kg a menos na história para voltar ao dia de hoje,  A prova.

Frio e chuva e lá estava eu todo motivado, como mudei meus hábitos de sono estava totalmente disperto e bem fisicamente para correr (mesmo nos finais de semana estou mantendo a rotina do horário de despertar), playlist construída especialmente para, dependendo da música, eu já saber exatamente o tempo de prova e assim ir monitorando o meu desempenho.

Começa a corrida.

Como os meus treinos são dentro da academia, não estava preparado para o vento gelado na orelha, desta forma, antes do primeiro km já estava com dor de ouvido, mas consegui ‘esquecer’ a dor e manter meu ritmo que desde o inicio eu já sentia mais forte que das outras vezes, meu corpo estava mais leve e eu parecia mais ‘inteiro’ na hora de respirar.

Eis que pouco depois de passar pela zona de hidratação, aproximadamente no meio da prova, meu nariz simplesmente resolveu congestionar - justamente no trecho de subida na prova. Em resumo, eu estava no meio da jornada em uma parte complicada da prova sem conseguir colocar ar nos meus pulmões de forma adequada e resolvi junto com isso lembrar da minha dor de ouvido.

Uma variedade de elementos não ‘previstos’ nos treinos fechados estavam me afastando da meta, me colocando várias preocupações que não eram terminar a prova em menos de 30 minutos.

Resolvi parar.

Parei, fui para o lado, me apoiei em uma árvore enquanto pessoas de todas as idades passavam por mim, alguns inclusive me chamando para voltar!!!

A energia das pessoas é incrível, desistir não passou pela minha cabeça, obviamente, em nenhum momento, mas a volta foi totalmente diferente, fiquei parado exatamente 79 segundos (segundo o Runtastic) e voltei para a prova, com todos aqueles problemas ali citados somados ao fato do corpo ter esfriado rapidamente por causa do frio e chuva.

Às vezes parava de correr e andava, mas ia como podia para o objetivo, se daria para fazer em 30 minutos não era mais a motivação, mas terminar da maneira que fosse, isso sim era o que me movia!

Depois desse trecho de instabilidade, física e mental, finalizei a prova inclusive alcançando um ritmo legal na volta, não consegui fazer em menos de 30 minutos apesar de ter faltado MUITO pouco, mas fechei satisfeito comigo mesmo por ter chego ao final vencendo tanto os 'previstos' como os 'imprevistos'.

Mas dessa prova, o mais especial não foi pegar a medalha no final, não foi bater fotos, bater fotos com atletas patrocinados pelo banco organizador (aliás sempre bato foto com atletas quando tenho oportunidade, respeito demais as conquistas e o fato de se manterem por tantos anos jogando no limite do alto nível, sempre!).

O mais especial dessa prova, com certeza, foi a jornada. Uma jornada cheia de lições, pensamentos e pequenas vitórias mesmo que em um espaço de tempo tão curto.

Depois desse texto tão longo abaixo vou listar as lições trazidas nessa prova:

- Mesmo o previsto pode ser mais complicado do que parecia;

- Imprevistos acontecem e são ainda mais complicados que os previstos;

- A energia das pessoas é incrível, cerque-se de quem te quer bem;

- As vezes diminuir o ritmo para clarear os pensamentos pode dar mais resultado do que dobrar o ritmo do esforço;

- Pra essa prova eu mirei no 100%, na próxima vou mirar no 120%.

E foi isso, intensidade demais, aprendizados maiores ainda! Que venha a próxima prova!

O Bruno será palestrante na 4ª Edição do RecrutaTech, o principal evento do Portal Curitiba TI! Saiba mais sobre a palestra dele e sobre o restante do evento clicando aqui!

 

Compartilhar

Bruno Vieira de Lima
Autor
Bruno Vieira de Lima

31 anos, catarinense radicado no PR, empreendedor desde sempre, startupeiro há 2 anos!! sempre um apaixonado por tecnologia e vendas que conseguiu finalmente unir as duas coisas em um só produto!